20 de fevereiro de 2016

Resenha: Carta de amor aos mortos

SINOPSE: Tudo começa com uma tarefa para a escola: escrever uma carta para alguém que já morreu. Logo o caderno de Laurel está repleto de mensagens para Kurt Cobain, Janis Joplin, Amy Winehouse, Heath Ledger, Judy Garland, Elizabeth Bishop… apesar de ela jamais entregá-las à professora. Nessas cartas, ela analisa a história de cada uma dessas personalidades e tenta desvendar os mistérios que envolvem suas mortes. Ao mesmo tempo, conta sobre sua própria vida, como as amizades no novo colégio e seu primeiro amor: um garoto misterioso chamado Sky. Mas Laurel não pode escapar de seu passado. Só quando ela escrever a verdade sobre o que se passou com ela e com a irmã é que poderá aceitar o que aconteceu e perdoar May e a si mesma. E só quando enxergar a irmã como realmente era — encantadora e incrível, mas imperfeita como qualquer um — é que poderá seguir em frente e descobrir seu próprio caminho.
 Autora: Ava Dellaira - Editora: Seguinte - Classificação:          

Minha opinião: Laurel é uma menina doce, que passou por muitas mudanças desde a morte de sua irmã, May. A história começa quando no seu novo colégio uma das professoras pede que durante o ano os alunos escrevam cartas para pessoas que já morreram. Durante o livro Laurel vai evoluindo e fazendo com que os leitores se afeiçoem mais e mais por ela. É uma história de superação e auto-aceitação. O leitor não só se torna parte da história como também participa dela. No inicio, vemos Laurel como uma menina perdida e que sempre viveu as sombras da incrível e destemida May, que sempre foi uma luz dentro de casa, pessoa que Laurel mais amava e admirava no mundo e última pessoa que viu a May com vida. Para superar a morte da irmã, a separação dos pais e o "abandono" da mãe, ela passa a intercalar as semanas dormindo na casa do pai e da tia, e passa a frequentar um novo colégio, com o propósito de evitar a piedade dos conhecidos. Nesse novo colégio ela acaba conhecendo Natalie e Hannah, que são relativamente populares e que aceitam ela do jeito que é. Além disso, Laurel acaba se apaixonando pelo bad boy, Sky.


" Ás vezes, quando falamos, ouvimos o silêncio. Ou apenas ecos. Como gritos vindo de dentro. E isso é muito solitário, só acontece quando não estamos ouvindo de verdade. Significa que ainda não estamos prontos para ouvir. Porque toda vez que falamos, há uma voz . Existe um mundo que responde. "

A Ava escreve de uma forma bem profunda e pessoal nos levando a crer que aquela história está realmente acontecendo. Tanto a forma de narrar, quanto o próprio enredo em si lembra muito o livro Um caso perdido da Colleen Hoover. A autora também aproveita o livro para tratar de vários temas polêmicos e já vou até adiantando para os futuros leitores que vocês podem esperar tudo, menos uma leitura parada. Cada página traz uma nova reviravolta e situação que torna a leitura ainda mais dinâmica e surpreendente.

" Nós não nos beijamos nem nada. Só ficamos deitados juntos, respirando. Senti que algo entre nós mudou de posição como as placas tectônicas da Terra. Você acha que conhece alguém, mas essa pessoa sempre muda. e você também está em transformação. De repente entendi que está vivo é isso. Nossas próprias placas invisíveis se movem em nosso corpo, e se alinham á pessoa que vamos nos tornar. "

Eu AMEI esse livro. Amei os personagens. Amei as vezes que me fez chorar e suspirar. Amei o Sky. Amei a Natalie. Amei a Hanna. Amei como apesar da Laurel saber que nunca se recuperará 100% ela teve garra para lutar pela sua felicidade. Esse é um daqueles livros que realmente vale a pena ler. 



Um comentário:

  1. Eu quero muuito ler esse livro, mas o tempo não deixa kkk
    A cada resenha que vejo fico mais encantada e quero mais ainda ler, vai pro topo da lista, amei a resenha muito bem escrita.
    Simplesmente AMEI o Blog e não é só porque gosto de gordice kk
    (sou dona do Gordices Literárias) *-*
    Bjos
    http://gordicesliterarias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir